Eis aí meu blog

“Boa noite pra quem é de boa noite / bom dia pra quem é de bom dia / a bênção, meu papai, a bênção / Maculelê é o rei da valentia”.

Eu costumava cantar esses versos a plenos pulmões na minha época de Capoeira, nas cerimônias de troca de graduação, os “batizados”. Já faz um bom tempo. Sempre gostei da entonação do canto, da força da dança ancestral com seus facões, suas vestes e os atabaques inspirados na Mãe África. Pessoas, geralmente da pele preta, levando adiante a mistura das tradições de vários povos que se fundiram nas senzalas daqui. Não tinha experiência ou “leitura” (como dizem no Norte/Nordeste) para processar aquilo tudo racionalmente, mas sentia o que depois descobri ter nome: egrégora.

É um conceito interessante. Basicamente ensina que uma força ou energia emerge da união de pessoas com o mesmo propósito. É algo como uma “alma coletiva”, que impulsiona e canaliza uma certa intenção na busca de um objetivo, que pode ser vencer uma batalha ou demanda, um jogo, um desafio qualquer ou apenas dar sentido à uma celebração. As galeras romanas com seus remadores ao som de tambores formavam egrégoras. As torcidas de futebol nos estádios também se utilizam delas, assim como  cultos e rituais em igrejas e templos de várias religiões mas da mesma fé empírica. O público de shows musicais, as pessoas que se reúnem para uma festa ou um funeral. É uma coisa muito humana, muito antiga e todo mundo já ajudou a construir uma, deliberadamente ou não.

Este blog pretende ser uma egrégora que tenha surgido dos meus costumeiros “textões” no Facebook, que bastante gente gosta, comenta comigo a respeito e me estimula a escrever mais. Aquela plataforma, embora possa ser muito útil, não dá conta de marcar links com referências, usar recursos de multimídia e produzir textos maiores, entre vários outros recursos que atendem melhor o tipo de conteúdo que pretendo usar. Por isso aqui estamos.

A palavra blog é uma corruptela do termo em inglês web log, algo como diário na rede. Diários são pessoais. Este aqui não aborda um tema específico, sua linguagem e seus temas mudarão conforme a liberdade que pretendo ter (toda a possível, logicamente). Pode palavrão, pode religião, pode política. Pode esquerda, direita, mureta e corneta. Pode sexo, drogas e rock’n’roll. Pode sagrado, pode profano e pode cético. Pode coxinha, mortadela, ketchup e mostarda. Pode preto, branco, amarelo e cor de burro quando foge. Gay, hétero, bi, tri ou pentasexual. Pode Português, English and whatever else we can think of. Barba, cabelo e bigode. Sobrancelha, unhas e progressiva. Não haverá muita edição, muita firula ou revisão. Sem gourmet, rigor estético ou frescuras em geral. Escrever do celular na padaria enquanto toma café também vale. E às vezes vale mais que qualquer outro jeito, aliás. Só não haverá por aqui desrespeito, truculência e cagação de regra. As perguntas sempre são melhores que as respostas.

Espero que gostem, porque acredito sinceramente que ler é uma atividade libertadora, fundamental. Se tudo o que eu conseguir expressar aqui servir para inspirar qualquer pessoa que seja a ler mais e melhor, o blog já terá atingido seu objetivo. Estejam à vontade, mi casa, su casa!

Obrigado pela inspiração e por sua visita. Volte sempre que quiser.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s