Tia Rita

Tia Rita nos deixou ontem, no final da tarde. Estava em estado crítico já havia um tempo, indo e voltando do hospital. Não resistiu a um câncer de cérebro e seu corpo parou de funcionar em um domingo, depois de castigar sua alma por mais de um ano. É inimaginável a extensão do sofrimento pelo qual passou e especialmente frustrante tentar compreender como uma pessoa como ela pode ter sido submetida a tudo isso, pelo menos dentro dos parâmetros humanos de merecimento e/ou causa e efeito. Se existisse alguma lógica passível de ser entendida nesses termos, isso jamais teria acontecido.

Conheci minha tia Rita quando me dei conta do mundo ao meu redor. Sendo ela a irmã mais velha de minha mãe e a primeira de uma prole de oito, sempre esteve lá. Faz parte daquele universo de presenças que nunca chegaram de algum lugar ou precisaram ser apresentadas. Ela era um lugar em si mesma. Um lugar de acolhimento, de presença amorosa, de cuidado zeloso com seus três filhos (Samuel, Ivana e Raphael), seus netos e bisnetos.

Tia Rita era a alquimista daquele cheiro de infância que todo mundo lembra. De pão caseiro quentinho passando por debaixo da porta e por entre as janelas. Tão invisível quanto inconfundível. Era a autoridade feminina, matrona protetora para quem estar feliz era servir aos outros, ouvir o barulho de sua família reunida comendo e brincando, a criançada correndo, brigando, quebrando coisas para levar bronca primeiro e um afago cúmplice depois. Sabia que felicidade é ser, não ter. Foi o ícone máximo da religião pra mim durante muito tempo, com seu cabelão quase sempre preso em um coque e seu modo de se vestir, seu conhecimento bíblico, sua fé comovente e o respeito que naturalmente inspirava nos demais. Tinha o riso alto, rasgado, fácil, daqueles que você ria da risada dela sem precisar nem saber o motivo.

Eu nunca fui de me importar com o que os outros pensam a meu respeito, mas há algumas poucas pessoas cuja opinião eu sempre respeitei, por mais que discordasse. Minha tia definitivamente era uma delas, sei lá eu por quê. Cresci convivendo com uma religiosidade cristã pentecostal, daquelas mais rígidas e ortodoxas. Na igreja as mulheres se sentavam de um lado do corredor e os homens do outro. Tudo o que fugisse aos ensinamentos passados pelos pastores era “do mundo”, “do inimigo”, “pecado”. Frequentei Escola Dominical da Igreja Batista na infância e diversas vezes visitei cultos de outras denominações sem nunca ter participado ativamente de uma congregação. Não me lembro de ter visitado uma igreja em que não me tivesse sido perguntado se “aceitava Jesus”, sem falhar uma. Meio intimidador, artificial. Nunca entendi direito o que isso quer dizer, Jesus também sempre esteve lá. Como aceitar o que já fazia parte da minha vida? Meu próprio nome me foi dado por causa de um de seus discípulos, assim como os dos meus irmãos. Sei Hinos da Harpa Cristã de cor desde criança, conheço muitos personagens bíblicos e suas trajetórias. Já fui de Adão a João Batista, de Moisés a Paulo, de Abraão à Lázaro. E Rute e Raquel e Jezabel e Dalila e Maria e “as virgens loucas que deixaram suas lâmpadas se apagar“. A certa altura percebi que igrejas são comunidades que funcionam muito mais na base da interpretação de dogmas que seus membros compartilham de forma parecida naquele círculo específico e que é com base nisso que se preservam, mais do que no sentido universal da fé cristã e por definição, dos ensinamentos de Jesus. Os sacerdotes emprestam sua personalidade à egrégora que alimentam e a cultura daquele templo gira em torno disso. Respeito e acho que muita gente é ajudada espiritualmente por essas igrejas, mas geralmente me sinto mais coagido que acolhido nesses lugares. Aceito Jesus como meu mestre, guia e referência de comportamento e valores, mas não sou ovelha de pastor algum, nem pretendo. Quem se sente bem assim, que o faça e espero que se realize plenamente.

De todo modo, muitas vezes tive receio do que minha tia Rita pensaria sobre mim. Sinceramente, não sei de onde vem. O mais curioso é que ao mesmo tempo em que é uma limitação meio que auto imposta, tal fato nunca me incomodou. Lembro de uma vez, já há quase vinte anos, que apareci na casa da minha mãe para um churrasco com meu filho pequeno no colo e uma camiseta cor de rosa com três crânios pretos na frente e ossos cruzados formando um “x”, como a clássica bandeira dos piratas dos filmes. Tia Rita estava lá, e ao ver minha roupa, cravou: “Esse símbolo é do Exu Caveira, sabia?”. Gelei dos pés à cabeça na hora, quase derrubei o bebê. Não poderia haver no mundo um nome mais aterrorizante que esse. Como eu ia saber? Apenas tinha visto a camiseta em uma loja e achado bonita, comprado e a estava usando inocentemente. Tirei do corpo na hora, joguei no lixo. Peguei outra emprestada com alguém e passei a morrer de medo do Exu Caveira e de todos os outros Exus, mudava de calçada se avistasse uma Casa de Umbanda no meu caminho. Anos mais tarde descobri não apenas que aquele símbolo não era bem o que ela tinha dito, mas também que Deus não erra. Sendo assim, se existe Exu é porque ele tem que existir. Mais recentemente, ao precisar ir até seu apartamento ainda antes de saber do tumor que acabou por vencê-la, passei em minha casa pra trocar de roupa por causa de uma camiseta de caveira que estava usando. Achei que seria desrespeitoso ir vestido daquela forma. Sem ressentimentos, no hard feelings. Mesmo que ela não dissesse uma palavra sobre isso, não era direito meu. Ponto.

A última vez que conversei com ela foi no dia em que se mudou com o Fábio, seu marido, para o Espírito Santo, já faz uns dois anos ou mais. Disse a ela que a amava, desejei boa viagem e que tudo desse certo. Ela vinha tendo uns desmaios estranhos e umas crises de dor de cabeça, além de convulsões. A mudança era pra ficar perto da Ivana e para deixar a agitação de São Paulo pra trás, buscando qualidade de vida e melhor saúde. Fábio tinha conseguido um emprego por lá, tudo ficaria melhor. Tia Rita viveu feliz perto de sua filha e genro os últimos anos de sua vida, antes da doença se espalhar e tomar seu corpo, fazendo com que ele a deixasse depois de sofrer como foi, já de volta a São Paulo.

O que ficou pra mim foi saber que ela foi muito amada, o que era apenas a retribuição natural de todo o amor que ela sempre ofereceu aos seus de forma generosa e altruísta, apenas por ser assim o modo como sabia fazer. Mesmo sua intolerância com o que as vezes parecia não caber em sua religiosidade era uma forma de amar, porque ela tinha convicção de que somente ao seguir aquele dogma as pessoas poderiam encontrar refúgio em Deus e ser salvas e libertas, e era isso o que ela queria para todo mundo.

Hoje, no cemitério junto de parentes e amigos dela, tive a certeza de que minha tia Rita entrou no Céu em que sempre acreditou e foi acolhida por seu Jesus como sempre soube que seria, porque se o Céu não é para pessoas como ela, então para que serve o Céu?

Adeus, tia Rita amada. Se eu conseguir aprender a amar as pessoas nem que seja por uma fração ínfima do que você fez, certamente farei por merecer estar contigo aí quando chegar a minha vez. Descanse em paz e em amor.

Eis aí meu blog

“Boa noite pra quem é de boa noite / bom dia pra quem é de bom dia / a bênção, meu papai, a bênção / Maculelê é o rei da valentia”.

Eu costumava cantar esses versos a plenos pulmões na minha época de Capoeira, nas cerimônias de troca de graduação, os “batizados”. Já faz um bom tempo. Sempre gostei da entonação do canto, da força da dança ancestral com seus facões, suas vestes e os atabaques inspirados na Mãe África. Pessoas, geralmente da pele preta, levando adiante a mistura das tradições de vários povos que se fundiram nas senzalas daqui. Não tinha experiência ou “leitura” (como dizem no Norte/Nordeste) para processar aquilo tudo racionalmente, mas sentia o que depois descobri ter nome: egrégora.

É um conceito interessante. Basicamente ensina que uma força ou energia emerge da união de pessoas com o mesmo propósito. É algo como uma “alma coletiva”, que impulsiona e canaliza uma certa intenção na busca de um objetivo, que pode ser vencer uma batalha ou demanda, um jogo, um desafio qualquer ou apenas dar sentido à uma celebração. As galeras romanas com seus remadores ao som de tambores formavam egrégoras. As torcidas de futebol nos estádios também se utilizam delas, assim como  cultos e rituais em igrejas e templos de várias religiões mas da mesma fé empírica. O público de shows musicais, as pessoas que se reúnem para uma festa ou um funeral. É uma coisa muito humana, muito antiga e todo mundo já ajudou a construir uma, deliberadamente ou não.

Este blog pretende ser uma egrégora que tenha surgido dos meus costumeiros “textões” no Facebook, que bastante gente gosta, comenta comigo a respeito e me estimula a escrever mais. Aquela plataforma, embora possa ser muito útil, não dá conta de marcar links com referências, usar recursos de multimídia e produzir textos maiores, entre vários outros recursos que atendem melhor o tipo de conteúdo que pretendo usar. Por isso aqui estamos.

A palavra blog é uma corruptela do termo em inglês web log, algo como diário na rede. Diários são pessoais. Este aqui não aborda um tema específico, sua linguagem e seus temas mudarão conforme a liberdade que pretendo ter (toda a possível, logicamente). Pode palavrão, pode religião, pode política. Pode esquerda, direita, mureta e corneta. Pode sexo, drogas e rock’n’roll. Pode sagrado, pode profano e pode cético. Pode coxinha, mortadela, ketchup e mostarda. Pode preto, branco, amarelo e cor de burro quando foge. Gay, hétero, bi, tri ou pentasexual. Pode Português, English and whatever else we can think of. Barba, cabelo e bigode. Sobrancelha, unhas e progressiva. Não haverá muita edição, muita firula ou revisão. Sem gourmet, rigor estético ou frescuras em geral. Escrever do celular na padaria enquanto toma café também vale. E às vezes vale mais que qualquer outro jeito, aliás. Só não haverá por aqui desrespeito, truculência e cagação de regra. As perguntas sempre são melhores que as respostas.

Espero que gostem, porque acredito sinceramente que ler é uma atividade libertadora, fundamental. Se tudo o que eu conseguir expressar aqui servir para inspirar qualquer pessoa que seja a ler mais e melhor, o blog já terá atingido seu objetivo. Estejam à vontade, mi casa, su casa!

Obrigado pela inspiração e por sua visita. Volte sempre que quiser.